Todos os dias, recebemos cerca de 15 currículos na Dynamo. São pessoas das mais variadas cidades e backgrounds, que gostariam de trabalhar conosco.

Mas existe algo em comum entre todos estes candidatos: 99% deles enviam seus currículos via email, com uma frase do tipo:

“Para apreciação da empresa. Favor encaminhar para o setor responsável. Obrigado”.

Há muito, mas muito tempo eu tenho desejo de escrever este post e hoje é o dia.

Hoje vou contar o porque 90% destes emails não são nem mesmo abertos.

 

Porque Usar um Currículo Pode Fazer Você Perder Aquela Vaga Tão Desejada

 

Como-Cobrar-Mais-Por-Servicos

Currículos ou “Curriculum Vitae” são ineficientes e antiquados.

É impressionante a quantidade de bons profissionais que se escondem atrás de uma folha de papel que lista coisas que eles sabem fazer. É isso um problema grave para sua carreira.

Primeiro, porque é contar demais com a sorte esperar que uma listagem de lugares que você estudou, treinamentos que cursou ou instituições aonde trabalhou façam um bom trabalho de “vender” você para quem seleciona candidatos.

Muitas vezes, devido a pequenos detalhes (como um currículo ser curto demais, longo demais, fonte muito pequena, dados confusos ou informações irrelevantes) podem arruinar suas chances de ao menos ser chamado(a) para uma conversa pelo RH da empresa.

Claro, que em um mundo perfeito, isso não deveria ser problema. Um bom profissional de RH vai saber “ler as entrelinhas” e “conseguir identificar o que as pessoas estão tentando dizer” no currículo, mas aqui vai uma notícia aterrorizante: não é assim que funciona, pessoal.

Se a empresa conta com centenas de currículos de candidatos a sua disposição, é uma pena, mas vai ter prioridade aqueles que tornarem a vida do selecionador mais fácil.

A minha lógica pessoal é a seguinte: Se a pessoa não consegue se destacar da multidão nem mesmo na hora do currículo, imagina quando ela entrar em um projeto grande complexo? Quanto tiver prazos e pressão? Quando precisar pensar fora da casinha? O que ela vai fazer?

Se você ainda pensa que ter um currículo “bem organizado e elaborado” é suficiente hoje em dia para abrir as portas para aquela vaga que você quer, permita-me compartilhar 3 motivos pelos quais talvez você queira rever este pensamento.

Principais Problemas com Currículos:

 

1 – Um Currículo Fala O que Você Faz, Não Quem Você É

Empresas inteligentes sabem que mais importante do que a habilidade técnica de um candidato (quão bem você faz algo), é o perfil pessoal dele (valores e como ele interage com o mundo ao seu redor). Quando contrato alguém, é obvio que é importante que ela saiba a parte técnica (como programação, design, planejamento, Adwords, etc), mas mais importante é como ela reage quando recebe uma crítica, se ela fala a verdade, se ela tem prazer em ajudar outras pessoas, se ela sabe olhar o lado bom das pessoas.

Isso é perfil. Empresas como o Google passam meses parar contratar alguém, justamente para descobrir se a pessoa tem o perfil certo, não a habilidade técnica certa.

E isso seu currículo não diz.

 

2 – Um Currículo Lista O que Você Estudou, Não o Que Você Sabe Fazer

Foi-se o tempo em que ter se formado em uma faculdade de prestígio era garantia de um bom emprego.

Não é porque você fez especialização na Europa, após ter se formado em uma faculdade cara no Brasil, que você é o bam bam bam. Isso mostra que você teve tempo e recursos para estudar. Isso lhe torna um bom estudante, mas não necessariamente um bom profissional.

Mas na prática, o que você saber FAZER? Um portfólio com o que você já FAZ de verdade na vida, é muito mais importante do que aonde você estudou. O que você já realizou, na prática, que fez alguma diferença no mundo? Casos de como você interagiu em projetos, trabalhos para clientes, depoimentos de parceiros, dados mostrando antes e depois. Isso sim, conta muito mais.

photo-1417024321782-1375735f8987

 

Dependendo do cargo (claro), eu contrataria uma pessoa que não acabou o segundo grau mas que tem um histórico de saber fazer, do que um formado com honras que está entrando no mercado de trabalho agora, depois de só ter estudado a vida inteira.

 

3 – Um Currículo É como Usar a Mesma Cantada, Com Todas as Meninas

 

Imagina se a única cantada que você sabe é:”Olá, você vem sempre aqui?”. Suas chances de permanecer solteiros são maiores que a crise da Grécia. Isso, porque cada menina precisa ser abordada de uma maneira especial, “customizada” para o local, contexto e perfil que ela se encontra. Clientes e empregadores não são diferentes.

Seu currículo é como uma “cantada”. Ele é o primeiro contato que seu empregador tem com você e é a oportunidade perfeita para mostrar que você não é como os outros. Se você tem um currículo “padrão”, que é o mesmo a ser enviado para todas as empresas, como espera ser visto diferente?

Na Dynamo, nós pagamos a mais no primeiro mês para funcionários que forem contratados e que enviaram um vídeo-currículo ao invés de um currículo normal. Isso porque ao ver você falando em vídeo, já temos uma ideia muito mais completa de quem você é. Claro, que um vídeo pode enganar, mas nos dá muito mais informações sobre você do que o mesmo pedaço de papel que seus avós usavam para conseguir emprego.

 

Previous post

Como a Internet Mudou em 10 Anos as Leis Econômicas de 300 Anos

Next post

Como Aumentar Sua Produtividade – A Arte de Terminar as Coisas

Pedro Superti

Pedro Superti

Pedro Superti é especialista em ajudar organizações a se transformarem em celebridades, líderes de seu segmento, usando marketing de diferenciação. É Co-criador do treinamento e metodologia “Fator X”, o maior lançamento sobre marketing de diferenciação do Brasil com centenas de empreendedores formados com o método.

3 Comments

  1. 13/05/2015 at 11:32 AM

    Legal!

  2. 27/10/2015 at 8:25 AM

    Yes i’m agree,
    A CURRICULUM SPEAK WHAT YOU DO, NOT WHO YOU ARE

  3. 01/06/2016 at 10:44 PM

    Pedro, permita-me, com carinho, discordar em parte de você. Atuo na área de RH, há mais de 30 anos, e acompanho as mudanças que temos na forma dos candidatos se apresentarem. Curriculum Vitae significa histórico ou trajetória de vida – numa tradução rápida. Se no passado as pessoas apresentavam a carteira profissional, como prova de qualificação, para depois preencher uma “ficha” – que daí vieram os termos: “ser fichado” ou “fichando” ou “pegando ficha”. Deste tempo também surgiram as carteiras falsas (carteiras “esquentadas”) ou profissionais com várias carteiras para esconder históricos depreciativos. As empresas passaram a terceirizar o processo de seleção utilizando “Agências” ou “Consultorias”, que para agilizar o processo substituíram as “fichas” pelo CV, que inclusive era vendido em papelaria para ser preenchido. O processo não ficou imune aos falsos históricos e a qualidade das “Agências ou Consultorias” é de fazer um processo de triagem, checagem, avaliação e certificação dos candidatos que se apresentam através deste documento impresso. Hoje o CV caminha (como você citou) para apresentação em vídeo, porém ainda vai levar alguns para este processo ser aplicados para processos em níveis de cargos operacionais. Mas é possível. O CV já é digital e muitas “Consultorias” ganham muito com a recepção, manutenção e disponibilização deste cadastro de Cvs digitais (Catho, Infojobs, Vagas e outros). Portanto o CV muda de maio, mas vai continuar sendo necessário para os processos de seleção. E veja que no seu texto você já sinaliza aquilo que você valoriza para os teus candidatos. Porém já pensou se tivesse que triar, e selecionar milhares de cvs todos os dias para as suas vagas? Você perderia tempo e estaria investindo seu tempo numa atividade que você, talvez, não tivesse “a expertise” para ser efetivo. Cito como um exemplo a compra de um veículo usado. Eu não tenho todo o conhecimento para avaliar um carro e poderia fazer uma péssima escolha. Porém um profissional que atua, todos os dias, avaliando carros, só de olhar (antes até de ligá-lo) já saberia se vale a pena continuar o processo de compra. Assim como eu acredito que os empregos vão continuar a existir (mesmo com a crescente onda de empreendedorismo-pois não há empreendimento sem profissionais para operá-lo), porém com formas diferentes de contratação, acredito também que os cvs irão continuar existindo em formas e meios diferentes. Um abraço. Muito obrigado.